Cointelegraph

Especialista: Energia renovável não é suficiente para resolver o problema de sustentabilidade do Bitcoin

Um especialista em blockchain da PwC afirma que a energia renovável é insuficiente para lidar com o enorme consumo de energia do Bitcoin

energia renovável não resolverá o problema de sustentabilidade do Bitcoin (BTC), de acordo com um especialista em blockchain Big Four, empresa de auditoria PwC, Alex de Vries. De Vries apresentou seu argumento em um estudo publicado no periódico sobre energia sustentável Cell, em 14 de março.

A pesquisa cita estimativas do site de Vries, segundo o qual o Bitcoin consumia de 40 terawatts-hora (TWh) a 62,3 TWh ao longo de 2018. Segundo o documento, isso equivale ao consumo de energia de países como a Hungria (40,3 TWH) e Suíça (62,1 TWh).

De Vries cita uma pesquisa publicada em 2014 que estima que o consumo de energia de todo o setor financeiro pode chegar a 650 TWh de energia por ano. Ainda assim, De Vries aponta que isso inclui data centers, agências bancárias e caixas eletrônicos. A estimativa de consumo de energia do Bitcoin considera apenas a mineração e não os caixas eletrônicos de Bitcoin e terceiros confiáveis, como bolsas, provedores de carteira e provedores de serviços de pagamento.

De acordo com os dados citados, os datacenters mundiais consumiram cerca de 194 TWh em 2014, e devem aumentar em cerca de 3% (para 200 TWh) até 2020. As instalações de mineração Bitcoin supostamente usam pelo menos 20% (40 TWh) desta capacidade.

De Vries também observa que a pegada de carbono de uma transação com Bitcoin supera a de uma transação bancária tradicional sem caixa. Ele afirma que, em tal contexto, o Bitcoin consome 491,4 kWh para 765,4 kWh por transação, enquanto uma transação não-caixa tradicional tem uma pegada de carbono de 0,4 kWh. Isso coloca a pegada anual de carbono do Bitcoin entre 19,0 e 29,6 milhões de toneladas métricas de CO2.     

A pesquisa conclui que os grandes custos de energia e externalidades do Bitcoin, como a rápida substituição do hardware de mineração, significam que a energia renovável é insuficiente para lidar com o problema de energia do Bitcoin.  

Em vez disso, de Vries sugere que há alternativas para energia do Bitcoin do Trabalho (PoW mecanismo) como prova da Estaca (PoS) pode impedir que “tanto o consumo de energia extrema, bem como o incentivo ao desenvolvimento especializado (propósito singular) [ASIC] hardware.”

Em dezembro de 2018, cofundador da Ethereum (ETHVitalik Buterin afirmou que futuros blockchain com sharding baseados em PoS serão “milhares de vezes mais eficientes”.

Em maio de 2018, Alex de Vries publicou um artigo chamado “Problema Crescente de Energia do Bitcoin”, no qual ele afirmava que a rede da Bitcoin usaria meio por cento da energia mundial até o final daquele ano.